sexta-feira, 16 de agosto de 2019

Juiz de Fora: Extensão de carga horária, desvio de função e assédio moral revelam situação precária dos postos de saúde da cidade

FAX SINDICAL


16 de agosto de 2019


---------------------------------------------


Sindicato dos Médicos de Juiz de Fora e da Zona da Mata de Minas Gerais


---------------------------------------------

ASSEMBLEIA GERAL DEBATE CONDIÇÕES DESFAVORÁVEIS DE TRABALHO NA ATENÇÃO BÁSICA EM JUIZ DE FORA, EXTENSÃO FORÇADA DE CARGA HORÁRIA E DESVIOS DE FUNÇÃO

Em assembleia geral unificada realizada em 13 de agosto de 2019, o Sindicato dos Médicos,  o SINSERPU com a participação de representantes do Conselho Municipal de Saúde e da Ouvidoria de Saúde, foram discutidos problemas graves que estão prejudicando servidores de unidades básicas de saúde e usuários do SUS, porque afetam negativamente o funcionamento do sistema.


A constatação geral é que a gestão local do SUS está agindo sem comunicação institucional apropriada, com decisões autoritárias unilaterais, sem consultas, sem transparência e sem negociações com os servidores que fazem o SUS funcionar. Há casos que caracterizam verdadeiro assédio moral, gerando doenças e afastamento, queda de desempenho e produtividade. Isso prejudica o atendimento aos usuários e o funcionamento do SUS.


Foram os principais assuntos abordados na assembleia:


1- Alteração na jornada de trabalho. A ampliação do horário de trabalho não se fará com aumento do quadro de pessoal, mas com modificações das cargas do pessoal lotado nos postos de saúde. Será descobrir a cabeça para cobrir os pés. A modificação da carga horária vai impor trabalho noturno, sem que haja preocupação da PJF ou garantias quanto à segurança do trabalho e do local de trabalho. Não há qualquer previsão de ampliação das equipes. As equipes já estão deficitárias. Dezoito unidades básicas de saúde estão com número insuficiente de médicos. Em um dia da semana as equipes serão obrigadas a trabalhar por 12 horas, com pequeno intervalo, caracterizando plantão, sem que haja a devida remuneração. Nenhuma dessas medidas foi submetida a deliberação do Conselho Municipal de Saúde e nem a negociações com os trabalhadores e sindicatos que os representam. Tudo foi conduzido de forma autoritária, sem transparência, sem negociação. 


2- Marcação de consultas e procedimentos está sendo feita por pessoal da área assistencial, desde maio de 2018, quando os funcionários administrativos da Central de Marcação de Consultas foi retirado dos postos de saúde. Servidores da área assistencial são obrigados a atuar em DESVIO DE FUNÇÃO, exercendo tarefas administrativas e atrapalhando as atividades asssitenciais, às quais deveriam se dedicar. As marcações para consultas e procedimentos estão ficando cada vez mais difíceis, porque desde 2009 (administração Custódio de Mattos) o número de médicos especialistas tem diminuído. Pessoas esperam meses por exames ou consultas especializadas, o que gera descontentamento nos usuários e esse descontentamento é erroneamente dirigido aos servidores que atuam nos postos de saúde.


3- Dispensação de medicamentos. Na falta de farmacêuticos e pessoal de farmácia em número suficiente, é comum que pessoal de enfermagem seja obrigado a fazer dispensação de medicamentos, o que não é tarefa própria do pessoal da enfermagem.


Há denúncias de situações que caracterizam assédio moral contra os servidores. Muitos não fazem denúncias formais por vergonha ou medo. A Prefeitura de Juiz de Fora não possui legislação específica que proteja os seus trabalhadores contra os malefícios do assédio moral.


Ficou claro que tais decisões da administração municipal não foram nem submetidas à deliberação do Conselho Municipal de Saúde.


Foi decidido que será dirigido ofício reivindicando reunião de representantes dos sindicatos e do Conselho Municipal de Saúde com a Secretaria de Saúde da Prefeitura de Juiz de Fora.


Uma próxima assembleia será agendada.


Se não houver avanço na mesa de negociações uma paralisação não está totalmente descartada.


Os usuários do SUS de Juiz de Fora não merecem ser atendidos em um sistema de saúde insalubre e indigno.

quinta-feira, 8 de agosto de 2019

Horário estendido de UBS não pode prejudicar servidores - ASSEMBLEIA GERAL

FAX SINDICAL


08 de agosto de 2019


Sindicato dos Médicos de Juiz de Fora e da Zona da Mata de Minas Gerais.

ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DOS SERVIDORES DAS UBS DA PREFEITURA DE JUIZ DE FORA

DIA 13 de agosto de 2019, terça-feira, 19 hs. (dezenove horas), na Sociedade de Medicina e Cirurgia, Rua Braz Bernardino, 59, centro, Juiz de Fora

-------------------------------

PAUTA:

horário estendido de funcionamento das UBS e marcação de consultas especializadas pelas UBS

-------------------------------

A portaria MS nº 930, de 15 de maio de 2019, que institui o Saúde na Hora, foi publicada nesta sexta-feira (17 de maio) no Diário Oficial da União. Está portaria dá maior compensação financeira aos municípios que adotarem horário estendido na atenção primária (UBS's). No mesmo dia da publicação no Diário Oficial, a imprensa local (Tribuna de Minas) informava que a  "intenção (de estender horário ampliado) foi confirmada à Tribuna após a Comissão de Saúde Pública e Bem-Estar Social da Câmara formalizar, na última sexta-feira (17 de maio), um relatório elaborado após visitas a vários aparelhos de saúde da rede municipal, em que sugeriu que, de forma regionalizada, o Município avance para que pelo menos duas das 68 UBS’s em funcionamento na cidade tenham seus horários de atendimento ao público ampliado."


Conferindo as datas da publicação da portaria e da declaração da comissão da Câmara de Vereadores, fica a pergunta: -Teria sido mera coincidência ou a Câmara estava muito conectada com o Ministério da Saúde?


Não se pode ver como iniciativa ruim a ampliação de horário de funcionamento de unidades de saúde com aumento de recursos arrecadados pelo município. A questão é  quanto isso prejudica os trabalhadores da UBS, através de alterações unilaterais de carga horária (definidas pelo gestor). Maior horário de funcionamento e mais recursos deveriam implicar em ampliação do quadro de funcionários e não no sacrifício de quem já está se esforçando no dia a dia da atenção primária. Convém também lembrar que a atenção primária já está sobrecarregada pelo fim da CMC, o que obriga o pessoal da atenção básica a exercer função administrativa de marcar consultas especializadas.

A hora de discutir essa situação é agora. Por isso haverá assembleia geral dos servidores da atenção primária, na próxima terça-feira, 13 de agosto de 2019, às 19 horas, na Sociedade de Medicina e Cirurgia de Juiz de Fora.  Divulgue. Mobilize.


Arquivo do blog

Sindicato Expresso

SINDMED-JF

SINDMED-JF
A luta sindical na Internet.

PARA INDICAR O SINDICATO EXPRESSO, CLIQUE NO LINK ABAIXO.

Indique este Site!

ASSINE O SINDICATO EXPRESSO - GRÁTIS E RECEBA EM PRIMEIRA MÃO.

Receba Sindicato Expresso por e-mail

Grupos do Google
Participe do grupo Sindicato Expresso
E-mail:
Visitar este grupo