terça-feira, 31 de julho de 2012

FaxSindical-Prefeitura de Juiz de Fora: movimento pela saúde segue firme e vai ao asfalto

.         *** Fax Sindical *** 02.08.2012         .

De:  Sindicato dos Médicos de Juiz de Fora e Zona da Mata de Minas Gerais
Data: 02 de agosto de 2012

REF.: - 1) Está vivo e ativo o movimento dos médicos municipais da Prefeitura de Juiz de Fora.
2) Falta de concursos pÚblicos prejudica o SUS.
3) Porto Alegre: movimento dos médicos do Grupo Hospitalar ConceiÇão contesta falta de profissionais nas emergências.
4) Brasileiros, cada vez mais, exigem empregos formais.

___________________________________________________

*** *** *** AVISO SINDICAL IMPORTANTE *** *** ***

Próxima assembléia - 14 de agosto - 19 horas e 30 minutos - na Sociedade de Medicina

PREFEITURA DE JUIZ DE FORA - Assembléias e mobilização provam que o movimento dos médicos municipais continua bem vivo
"Apesar de você" Custódio!

A PRÓXIMA ASSEMBLÉIA GERAL DO SINDICATO DOS MÉDICOS SERÁ 14 de agosto, 19 horas e 30 minutos, na Sociedade de Medicina.

*********  MÉDICO DA PREFEITURA DE JUIZ DE FORA - MUNICIPAIS, MUNICIPALIZADOS, TEMPORÁRIOS, TERCEIRIZADOS - ESSA LUTA É SUA. MOBILÜZE SEUS COLEGAS, CONVIDE, DIVULGUE, PARTICIPE. ESSA É A HORA DE LUTAR.  *********

ABERTA AO MOVIMENTO SINDICAL, À SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA, A CONSELHEIROS DE SAÚDE

------------------------------------

*** FALTA DE CONCURSOS PÚBLICOS PREJUDICA O SUS.

ALAGOAS - Provedor da Santa Casa em entrevista à "Primeira EdiÇão" online, diz que falta de concursos públicos tem comprometido o atendimento no SUS. A entrevista foi dada no dia 30 de julho próximo.

Falta de médicos, por um lado, e falta de recursos públicos para a saúde, por outro. Esses, os grandes problemas enfrentados pelo sistema médico-hospitalar de Alagoas, segundo o Dr. Humberto Gomes de Melo, provedor da Santa Casa de Maceió e presidente do Sindicato dos Hospitais Particulares do Estado. Ele admite que há falhas no setor, mas não considera péssimo o atendimento das operadoras de plano de saúde. Em entrevista exclusiva ao PE, revela o crescimento de usuários de planos em Alagoas e, sem citar nome, alerta para uma operadora nova que está vendendo planos sem ter convênios com os hospitais. Segundo o Dr. Humberto Gomes, a falta de assistência à saúde é o maior problema da população, aqui e em todo o País, mas os governantes nem destinam recursos para o setor. “Eles acham que isso é gasto, não é investimento” – critica.

Qual a principal causa do péssimo atendimento proporcionado pelas operadoras de planos de saúde de Alagoas?
Não concordo com o ‘péssimo atendimento’. Entendo que as operadoras chegaram em muita boa hora para complementar, para dar uma segurança na assistência hospitalar e ambulatorial para aquelas pessoas que podem, em Alagoas. Cerca de 12% da população hoje é usuária de plano de saúde e dentro das condições eles tem oferecido essa segurança. Evidente que tem algumas operadoras que não estão dando aquilo que se comprometeram a dar, mas a maioria tem dado. Tanto que a Santa Casa atende a maioria das operadoras e acho que essa assistência tem sido prestada a contento.

Aqui, quanto mais usuário pagando plano, mas o atendimento se deteriora. Por que?
Não entendo dessa forma. Tanto que houve um crescimento nesses últimos nove anos: nós mais do que duplicamos o número de usuários de plano de saúde em Alagoas. Quando assumi a provedoria em 2003 apenas 6% da população era usuária de plano de saúde, hoje já somos mais de 400 mil usuários no Estado, o que representa 12% da nossa população. Penso que precisa de uma certa adequação, mas que tem sido dado com satisfação uma assistência para os usuários de plano de saúde. Como disse anteriormente, evidente, que alguns mais e outros menos.

O alagoano sempre foi refratário aos planos de saúde. Agora, que as adesões estão crescendo, o atendimento vai mal. Como superar essa situação?
Não é que os alagoanos tenham sido refratários aos planos de saúde. Acho que faltou agressividade das operadoras. No diz respeito às operadoras de celulares a gente vê uma agressividade muito grande, uma concorrência muito grande e uma publicidade muito grande, por isso hoje já temos mais celulares que pessoas, diferentemente do que acontece com as operadoras de planos de saúde. Acho que elas poderiam ser mais agressivas e o exemplo que temos é na distribuição desse 412 mil usuários: no ranking nacional Maceió está numa posição de equilíbrio entre as demais capitais, pelo menos do Nordeste, mas quando se trata do Estado como um todo estamos ainda diferente. Veja: Alagoas tem a mesma população do Rio Grande do Norte e nós temos 150 mil usuários a menos que aquele Estado, isso porque não há uma agressividade no interior do nosso Estado. Ora, temos um população de mais de 2 milhões no interior que poderiam ser contemplados se as operadoras chegassem mais junto a essas pessoas.

Está faltando médico em Alagoas? Por que as operadoras disponibilizam tão poucos profissionais para atender seus segurados?
Está faltando médico em Alagoas. Penso que Alagoas é um dos Estados que menos forma médico no país. Temos duas escolas que formam um quantitativo menor de profissionais que os demais Estados. E a grande maioria desses médicos formados aqui é de outros Estados e termina não ficando em Alagoas. Outra questão é a remuneração: o sindicato dos médicos tem mostrado que a remuneração em Alagoas é menor que a de estados vizinhos e isso provoca êxodo. Também surgiu recentemente um investimento maior em Sergipe e Pernambuco principalmente em organizações sociais que pagam mais que o SUS. Paga para os prestadores em geral e isso faz com que essas organizações sociais tenham recursos suficientes para tirar os médicos de estados vizinhos, e Alagoas tem sido prejudicada.

Como está a relação dos hospitais com as operadoras de planos?
De uma maneira geral – e falo isso pela Santa Casa – tem sido um relacionamento bom. É um relacionamento comercial que tem que existir e naturalmente cada uma vendo a sua parte, mas temos tido um relacionamento satisfatório com as operadoras de saúde. Mesmo porque elas desejam que seus usuários possam ser bem assistidos e a Santa Casa tem procurado fazer dessa forma. Existem problemas nesse relacionamento com determinadas operadoras porque muitas vezes acertam com o hospital e não acertam com a cooperativa de médicos e aí surgem alguns impasses, mas através de diálogo temos conseguido solucionar.

Uma das principais operadoras do País, a Unimed, enfrenta dificuldades financeiras. O problema é gerencial ou de mercado?
Primeiro, a Unimed não é uma só. São várias ‘Unimedes’ e não se pode falar da Unimed como um todo. O sistema cooperativo, e aí se reúnem todas as Unimedes, é das maiores, mas cada uma é como uma empresa separada. Algumas têm uma administração melhor e outra não tão boa. Algumas passam por dificuldades e outras não. Hoje, com a regulamentação da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), a situação melhorou muito porque a agência exige que as operadoras encaminhem a cada três meses seus balanços que são publicados e acompanhados com muita transparência. A própria ANS faz uma análise não só dos balanços, mas das situações dos usuários em relação a essas operadoras, inclusive por essa razão é que houve determinadas punições agora e a saúde financeira das operadoras é analisada. Quando está com algum problema, um diretor da própria ANS fiscaliza in loco essa operadora e exige um plano operativo para que possa sanar as dificuldades. Houve uma época em que a nossa maior operadora, que é a Unimed, passou por essa auditoria fiscal, mas conseguiu superar e hoje tem superávit. Naturalmente que ainda tem situações a serem corrigidas diferentemente de outras operadoras de outros Estados que não conseguiram superar isso mesmo com a permanência dessa auditoria fiscal. E a ANS, quando não há essa superação, não permite que o usuário seja prejudicado e a carteira é oferecida para outras operadoras.

A seu ver, o que é possível fazer para normalizar o atendimento aos usuários?
Isso tem sido feito, e aí vem essa salutar medida da ANS. O que critico é a forma como ela foi adotada, não concordamos, mas é importante que haja esse disciplinamento, que haja essa exigência que os usuários possam ser atendidos nas várias especialidades e nos vários hospitais, isso é necessário. Há necessidade de que esse ‘puxão de orelha’ nas operadoras para que possa servir de exemplo para que as falhas sejam corrigidas. É preciso um credenciamento maior de profissionais, sobretudo de profissionais de determinadas especialidades que estão faltando em Alagoas.

A Santa Casa de Maceió, da qual o senhor é provedor, mantém convênios com todas as operadoras de planos de saúde?
Praticamente todas as boas operadoras. Há uma operadora que chegou recentemente ao Estado, e não só a Santa Casa, mas nenhum dos três grandes hospitais tem convênio com ela. E para espanto nosso tal operadora tem conseguido vender muitos planos aqui no Estado. Naturalmente vai gerar dificuldade no atendimento dos usuários.


Nenhum comentário:

Arquivo do blog

Sindicato Expresso

SINDMED-JF

SINDMED-JF
A luta sindical na Internet.

PARA INDICAR O SINDICATO EXPRESSO, CLIQUE NO LINK ABAIXO.

Indique este Site!

ASSINE O SINDICATO EXPRESSO - GRÁTIS E RECEBA EM PRIMEIRA MÃO.

Receba Sindicato Expresso por e-mail

Grupos do Google
Participe do grupo Sindicato Expresso
E-mail:
Visitar este grupo