terça-feira, 2 de setembro de 2008

FAX SINDICAL 76

Fax  Sindical  76

Sindicato dos Médicos de Juiz de Fora e da Zona da Mata de Minas Gerais. – Secretaria Geral. www.sindmedicos.org.br. Rua Braz Bernardino,59, 3º andar. Centro. Juiz de Fora. Tel. : (32)32172101.

_____________________________________________________________________

***ENDEREÇO PARA CORRESPONDÊNCIA: secretariageral@sindmedicos.org.br ***

_____________________________________________________________________

Faça uma visita ao Fax Sindical

http://faxsindical.wordpress.com

 

02-09-2008

Páginas:

03 (TRÊS) páginas

Tel.:

3232172101

Data:

02 de setembro de 2008

ASSEMBLÉIA GERAL (UNIFICADA) MÉDICOS E SINDSAÚDE - DIA 08 DE SETEMBRO

DIA 08 DE SETEMBRO DE 2008, SEGUNDA-FEIRA, ÀS 18 HORAS E 30 MINUTOS OS SERVIDORES PÚBLICOS ESTADUAIS DA SES TÊM UM COMPROMISSO NA SOCIEDADE DE MEDICINA E CIRURGIA DE JUIZ DE FORA.

Hora de agir: contra a discriminação praticada pelo Governo de Aécio Neves contra os servidores públicos estaduais da saúde municipalizados, contra inativos, pensionistas e contratados. Contra a sonegação do pagamento da insalubridade, que nos prejudica pela perda do adicional e da aposentadoria especial, contra os baixos salários que humilham a categoria.

Vamos mostrar a cara. O governo do estado só tem boas notícias nos jornalões e na TV, mas não consegue roubar a nossa capacidade de indignar e reagir. Precisamos denunciar a situação. Precisamos agir com os recursos ao nosso alcance. Precisamos nos lembrar de que outros cargos e carreiras no Estado têm planos idôneos de salários. Somos úteis ao povo de Minas Gerais e não podemos ser tratados da forma que está.

O Fax Sindical tem publicado exemplos de luta de sindicatos médicos de outros estados que estão desenvolvendo ações para valorização dos profissionais e discussão de políticas decentes de gestão de pessoas na área da saúde.

Publicado em:

BRASIL: APAGÃO DA SAÚDE - CEARÁ - MÉDICOS DO SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL DECLARAM ESTADO DE GREVE.

Aqui no Fax Sindical temos dado uma coleção de exemplos, verdadeiros retratos de uma crise que muitas autoridades negam. Por cinismo, má-fé ou desconhecimento. A atual fase da longa crise que abate vários segmentos do sistema público de saúde no Brasil está atingindo um estado agônico. É o apagão da Saúde, por analogia com os já conhecidos apagões do abastecimento de energia elétrica e dos serviços de transporte aéreo. Temos falado em nossos artigos de dois problemas importantes:

1- a falta de financiamento da Saúde. Tentam resolvê-la pela Emenda Constitucional 29, a EC-29 ou Emenda da Saúde. Ela obriga o Governo Federal a destinar recursos orçamentários para o investimento e custeio da Saúde dentro de um limite (percentual). Está tramitando no Congresso. Foi aprovada no Senado. Foi desfigurada na Câmara, onde lhe acrescentaram mais um agravo tributário. Brasileiro já paga muito imposto. Voltou ao Senado. Está a depender da boa vontade dos congressistas, desses que pedem nosso voto a cada quatro anos e do popular presidente Lula. Ele, de origem sindical, precisa refletir que a saúde tem necessidades que não estão sendo atendidas.

2-A questão da gestão. Nesse caso, principalmente da gestão de recursos humanos. O nosso Governo, as nossas autoridades e o nosso povo devem saber valorizar o conhecimento. Conhecimento não tem preço. O conhecimento médico é precioso, porque lida com a vida. Os nossos governantes devem saber valorizá-lo. Sem essa valorização, não haverá motivação para os trabalhos especializados que a Saúde Pública necessita para se sustentar e progredir

Colocadas essas questões que nos parecem óbvias para o entendimento do apagão da saúde e desses movimentos reivindicatórios que empolgam a classe médica em diferentes partes do Brasil, passaremos a mostrar mais um retrato da crise, mais um aspecto do apagão da Saúde que castiga os brasileiros. Dessa vez no Ceará: médicos querem PCCS e entram em estado de greve após concorrida assembléia. Abaixo transcrevemos o comunicado do SIMEC.

02/09/2008

Médicos da rede estadual de saúde decretam estado de greve
Mesmo em estado de greve, os médicos não suspenderam os atendimentos à população nem reduziram o efetivo de profissionais nos hospitais

BRASIL APAGÃO DA SAÚDE RETRATO DA CRISE NO CEARÁ.
Reunidos em Assembléia do Sindicato dos Médicos do Ceará, os médicos do serviço público estadual declaram-se em estado de greve:

02/09/2008
Médicos do serviço público estadual decidiram entrar em estado de greve. A categoria está em campanha por um novo piso salarial. Na última segunda-feira à noite, houve assembléia geral, no auditório do Conselho Regional de Medicina (Cremec), para avaliar contraproposta do governo Cid Gomes que acabou rejeitada. Os médicos estadfuais querem um piso de R$ 3.751,59. O governo ofereceu 50% desse valor agora e o pagamento do restante até 2010. No Estado, o médico ganha hoje menos do que os médicos da Prefeitura de Fortaleza. O menor salário no município é de R$ 1.900,00, enquanto na administração estadual o piso é de R$ 640,00. Na próxima terça-feira, será reliazada uma reunião entre o Sindicato dos Médicos do Estado do Ceará (Simec) e a secertária do Planejamento e Gestão, Silvana Perente, para discutir as reivindicações da categoria.
Eliomar de Lima
E Comunicado Oficial do SIMEC Sindicato dos Médicos do Ceará sobre o Estado de Greve.

AssembléiaMédicos decretam “estado de greve” http://www.simec.med.br/noticias/imgs/noticia-330-ftpcp-resultado_assembleia.jpg

Insatisfeitos com o resultado da audiência acontecida na tarde de ontem (01/09) com a secretária de Planejamento e Gestão, Silvana Parente, os médicos servidores do Estado aprovaram o “estado de greve” em assembléia da categoria, realizada na noite do mesmo dia. Apesar das negociações continuarem com o governo do Estado, os médicos se disseram decepcionados com o resultado da audiência. O governo não aceitou a proposta de um piso de R$ 2.490 reais, com as gratificações incidindo em 30% do salário base agora em setembro, 40% em 2009 e 50% em 2010. Segundo a secretária Silvana Parente o governo insiste em dizer que o impacto na folha de pagamento dos médicos tem de ser apenas de 50%. Com o piso que os médicos propõem, o impacto chega hoje a 80%.A assembléia contou com a presença de mais de 100 profissionais, fazendo questão de ressaltar que a categoria não aceita negociar dentro desse impacto de apenas 50% da folha. Hoje, um médico do Estado tem um salário base de R$ 679,15. Com a maioria das gratificações não são incorporada na aposentadoria, um médico com mais de 30 anos de serviço chega a se aposentar com um salário em torno de R$ 1.500,00.GanhosOs médicos entendem também que nas negociações com o governo do Estado já obtiveram alguns ganhos. O Governador Cid Gomes garantiu um Plano de Cargos, Carreiras e Salários exclusivo para a categoria, vigorando a partir de 1º de setembro. A divergência estáno valor do piso salarial.A próxima rodada de negociação está marcada para terça-feira (09/09), ficando a assembléia dos médicos para quara-feira (10/09).Visit nosso site!

© Copyright 2008 - Todos os direitos reservados www.simec.med.br Rua Pereira Filgueiras 2020 - Sala 908, Aldeota - Cep: 60160-150 - Fone/Fax: 32614788

LEIA AINDA.

 

Sindicato dos Médicos de Pernambuco, com apoio do Conselho Regional de Medicina, das sociedades de especialidade, apelou para a CNBB, para a Associação dos Magistrados do Brasil e para a OAB para forçar o Governo de Eduardo Campos (PSB) a sentar na mesa de negociações. Saiba mais sobre a luta dos colegas pernambucanos lendo o FAX SINDICAL, a luta médica na Internet:

http://faxsindical.wordpress.com/2008/09/02/sindicato-dos-medicos-e-governo-do-estado-negociam-em-pernambuco/

Vocês se lembram do PÁS do Maluf? E do escândalo das fundações universitárias, que é mais recente. Até mobiliário de luxo para apartamento de luxo de reitor foi comprado com o dinheiro delas. Escândalos e ineficiência. Essa tem sido a experiência de gestão privatizada sobre patrimônio e serviços públicos. Agora querem repetir a dose. O nome da jogada é fundação pública de direito privado. Para nós brasileiros é a crônica de um desastre previsível e anunciado. Em Portugal essa história é novidade. Estão vendendo para a opinião pública de lá a idéia de que a gestão privada sobre patrimônio público e serviços públicos é um bom negócio. Por lá chamam isso de gestão empresarial. Saiba mais lendo o Fax Sindical, na página:

http://faxsindical.wordpress.com/2008/09/02/o-negocio-das-fundacoes-publicas-de-direito-privado-na-europa-chama-se-gestao-empresarial/

 

 

Nenhum comentário:

Arquivo do blog

Sindicato Expresso

SINDMED-JF

SINDMED-JF
A luta sindical na Internet.

PARA INDICAR O SINDICATO EXPRESSO, CLIQUE NO LINK ABAIXO.

Indique este Site!

ASSINE O SINDICATO EXPRESSO - GRÁTIS E RECEBA EM PRIMEIRA MÃO.

Receba Sindicato Expresso por e-mail

Grupos do Google
Participe do grupo Sindicato Expresso
E-mail:
Visitar este grupo